1 de abr de 2009

Historia do Screwed & Choped

Não há nada que torne fácil distinguir o prédio da Screwed Up Records & Tapes na Cullen Boulevard no sul de Houston dos outros prédios dilapidados nesse bairro industrial, ao lado da principal estrada da cidade. O exterior bege está descascado em várias partes, as cortinas que cobrem as pequenas janelas do prédio não funcionam, e água vaza do pavimento de linóleo durante as frequentes pancadas de chuva que assolam a cidade.E mesmo assim, esse pequeno e indescrítivel prédio é a casa de um dos mais importantes - e surreal - movimentos musicais a nascer nas últimas duas décadas: Screwed & Chopped (ou Chopped & Screwed - qualquer um está correto). A música Screwed & Chopped é a oposição do pesada e louca levada do Crunk de Atlanta: As músicas são literalmente mais lentos a uma levada tipo melosa, e as batidas e a voz saem dos auto-falantes bem devagar. O resultado é um balanço lento e pesado, que nos últimos 14 anos, tem exercido uma grande influência na cultura Hip-Hop Sulista.
É o som do Texas," diz Jones. "Pessoas ao redor do mundo estão começando a gostar dele, e chegou a nossa hora de brilhar."A Screwed Up Records & Tapes é a loja que mantem viva a memória de Robert Earl Davis Jr., também conhecido como Dj Screw, o DJ de Hip-Hop de Texas que inventou e deu o nome da música Screwed. Ninguém sabe exatamente como ou quando Screw criou esse som lento, mas membros de sua banca do sul de Houston, a Screwed Up Click, dizem que Screw tocava essa música em seus toca-discos em 1991 e ocasionalmente descobriu que reduzindo dramaticamente o pitch do toca-discos, o som ficava mais pesado e mais envolvente."Um dia ele pegou um album do Mantronix - esse foi o primeiro som que eu ouvi [com lentidão]," relembra Big Bub, primo de Screw e o cara que controla a Screwed Up Records & Tapes, que vende muitas das velhas fitas de Dj Screw. "Ele tocou a música num tom bem lento e realmente gostou do modo como saiu. Ele continuou mexendo com o som, mexendo, e um ano depois, ele fez uma fita toda com lentidão.""Ele diminui a velocidade do som então a batida fica mais pesada e mais profunda," explica o rapper de Houston e compositor Devin The Dude. "Quando tinha um som desse tocando, você podia sair de calada e rodar por ai a noite inteira."
Enquanto o som tem um estilo West Coast como o rap de Dr. Dre e DJ Quik (o rapper favorito de Screw era C-Bo - foto), seu ritmo é uma reflexão única do Sul . "No Sul, a gente é mais sossegado," diz Jackson, rapper de Mississippi David Banner, que se lembra de ouvir Screw pela primeira vez em 1994. "Não é rápido e alto como o resto - é uma música pra você colocar no carro e relaxar."Screw rapidamente fez suas mixtapes difundir seu novo estilo para sua vizinhança no Houston. "Quando você diz, 'Screwed Music,' você tem que entender que por vários anos, ela sempre foi isso, só não tinha um nome," explica Bun B, metade do veterano grupo de Texas, UGK. "Não era chamado 'Screwed & Chopped' quando ele fazia esse som, era somente uma 'Screw Tape' - e todos queriam ter aquela Screw Tape." "Ter uma Screw Tape na epoca era como ter um par de Air Force Ones [tênis] nos dias de hoje." diz um antigo amigo de Screw e rapper de Houston, E.S.G. "Se você não tivesse uma Screw Tape na sua estante, você não tava ligado no que tava rolando." As fitas de DJ Screw (também citadas como "Gray Tapes" por causa das fitas cinzas nas quais eram gravadas) eram sempre organizadas por temas - uma mixtape com músicas sobre dar um rolê de carro, por exemplo.Screw também fazia fitas customizadas para os manos da 'quebrada'. "Você podia comprar uma fita por $10," se lembra Bun B. "E por $15 você podia dar uma lista de músicas que você queria e ele ainda citava seu nome na fita. Por uma quantia a mais você podia vir na casa dele e dar um salve para os seus manos você mesmo."Os 'salves' levavam aos freestyles, que levou a uma banca inteira de MCs contruidos sobre a técnica de DJ Screw. A banca, a Screwed Up Click, inclui MCs como E.S.G., Lil' Keke, Big Pokey e Hawk, que se tornaram lendas em sua area - e construiram suas carreiras baseados totalmente em rimas lentas. O rapper Lil' Flip, embora não fosse da banca Screwed Up Click, também lançou sua carreira em cima das fitas de Screw. Ele gravou duas fitas com Screw - Freestyle King e Southside Still Holdin' - e criou seu nome em cima delas. "Essas fitas ainda vendem nos dias de hoje," diz Big Bub. Flip gostou do som de Screw, e ao invés de migrar para o padrão normal do jogo das mixtapes - com músicas na velocidade normal - Flip gravou uma versão Screwed da mesma mixtape. Esse lançamento "duplo" de uma única mixtape ajudou ele a ser o primeiro rap star da area."O que Screw fez por várias pessoas foi dar uma carreira para todos nós," diz Hawk. "Todos os membros dessa banca irão representar Screw pelo resto de nossas vidas por isso, idéia quente.'Até os meados dos anos 90, o som lento de Screw era limitado ao lado sul da H-Town. Mas logo o som começou a chegar ao norte de Houston, onde um veterano DJ chamado Michael "5000" Watts adotou a técnica e começou a representar sua quebrada. "Tudo que Screw fazia só representava o lado sul," diz Watts. "Já que eu fazia algumas mixtapes por aqui, os manos da minha area ficavam dizendo, 'você precisa fazer esse seu som representar a gente.'"Watts diz que começou a usar a técnica em 1996. Ele iniciou a Swisha House Records, que com a força de suas mixtapes, rapidamente se tornou uma das maiores gravadoras de Houston, criando sua própria lista de artistas, incluindo rappers de hoje como Mike Jones e Paul Wall. Embora tenha se criado uma certa rivalidade entre norte e sul, entre os criadores e os seguidores, Watts é cuidadoso em demonstrar respeito ao inventor do estilo chamando a música de Screwed & Chopped

Os melhores do Texas Reunidos - Foto Capa da The Source



"Essa música foi criada por DJ Screw, ele foi o primeiro e sempre será," ele diz."As pessoas dizem, 'Vocês querem ser como Screw,' mas não é isso," diz O.G. Ron C., atualmente um dos melhores DJs fazendo música Screwed & Chopped em Houston. Ron era uma personalidade do rádio em meados de 1990 e era também da primeira onda de artistas da Swisha House antes de brigar com Watts em 1999. "Queríamos ouvir nossas ruas sendo citadas na música e nossa vizinhança falando sobre as paradas que estavamos fazendo no nosso lado da cidade."Bun B diz que com o tempo, como a música Screwed & Chopped começou a crescer, a distinção entre lider e seguidor foi perdida. "Com a mudança das gerações, os mais novos que chegam não se importam quem está fazendo o som," diz Bun B. "Então Watts foi capaz de estabelecer um nome com o que ele estava fazendo lá em cima [no lado norte]

Enquanto Screw era o inventor, Watts (foto acima) é creditado como o homem que tornou o som popular além das bordas de Houston. Ele fez uma radiodifusão de um mix-show especial de Screwed & Chopped na sua rádio local, e extendeu as vendas das mixtapes da Swisha House além do Sul. Watts também ajudou a patrocinar a técnica "Chop".Aproveitando seu passado como DJ de festas, Watts cortava entre duas cópias da mesma música, criando uma espécie de batida dupla da mesma música que trazia um novo balanço ao ritmo das mix. Essa sincopação é uma típica emenda do DJ que impõem uma única representação na terra das batidas lentas, adicionando uma textura que lembra da música Dub Jamaicana.Para Watts, a técnica de remix da música Screwed & Chopped representa o tipo de inovação artistica que ele sempre procurou na música. "Há uma arte nisso, e as pessoas que ouvem o som sentem a arte," ele diz. "Uma vez que você percebe o que é, você pode realmente sentir."Com certeza, não era só o ritmo mais lento da vida no Sul que era associado a música Screwed & Chopped. Era também a cultura das drogas se espalhando por Houston na epoca - especificamente, a consumação de um xarope para tosse com prescrição médica chamado Promethazine, que incluia codeína. O elixir tinha vários nomes - syrup, drank, Texas tea - e suas qualidades desanimadoras eram a base para uma subcultura ilegal construida em seu consumo abusivo e as letargicas batidas da música Screwed & Chopped."Todo mundo gosta de curtir sua parada, tá ligado, alguns metódos de se sentir melhor quando estão com os manos," diz Devin The Dude. "Mas [syrup] não é um barato para você brincar.""O Drank já está aqui faz tempo - os caras da antiga já bebiam isso na época deles," diz Hawk, se referindo a uma geração de sua área de 1960 a 1970. "Mas em 91 ou 92 chegou aqui pra valer e todo mundo queria experimentar ou cair de cabeça."Um fato que deixou toda a comunidade Hip-Hop de Houston mais precavida ocorreu no dia 16 de Novembro de 2000, DJ Screw foi encontrado morto em sua casa. Embora os médicos tenham encontrado codéina no seu corpo - provavelmente do Syrup que sua banca toda disse que ele gostava de tomar - sua morte não teve uma causa definida. Big Bub, primo de Screw, disse que Screw havia sido diagnosticado com problemas do coração.Bun B ainda disse, "Isso fez as pessoas avaliarem sua ações. Incluindo eu mesmo - não vou mentir."Na época da morte de DJ Screw, todo o estilo Screwed & Chopped já tinha se infiltrado no resto do Sul: O som podia ser ouvido em mixtapes em Atlanta, New Orleans e Miami. Grupos como Three 6 mafia em Memphis, Tennessee, já estavam fazendo albuns em Screwed & Chopped; em 2000 ele tiveram um pequeno sucesso com uma música chamada "Sippin' On Some Syrup" que falava sobre as virtudes do Drank e da música Screwed.Após a morte de Screw o som deslanchou, como em respeito a sua memória. "Eu acho que as pessoas viram que mesmo com a morte de Screw, o que não podia ser negado era o fato de que essa cidade tinha uma personalidade; essa cidade tinha seu próprio som," diz Bun B. E logo após o som cultivou uma comunidade de rap star do syrup, rappers como Slim Thug, que teve os três primeiros albuns lançados como CDs Screwed & Chopped.Em 2003, David Banner ficou muito conhecido ao ser o primeiro artista a lançar uma versão Screwed & Chopped de um album (sua estréia em uma grande gravadora, Mississippi: The Album) em uma grande gravadora, alguns meses após a versão normal ser lançada nas lojas.




DJ Screw "brincando" nas carrapetas
"Eu sou do Mississippi, estamos bem próximos de Texas," diz Banner. "Mas eu sempre digo para as pessoas que esse som é do Texas. Você tem que dar os créditos a Screw e ao Texas. Só quero que as pessoas saibam que isso faz parte da cultura do Texas."

Banner chamou Watts para fazer o remix, uma vez que Watts se tornou o principal embaixador do som Screwed & Chopped após a morte de Screw. Mississippi: The Screwed And Chopped Album vendeu aproximadamente 50,000 cópias no Sul, assim como nos lugares menos prováveis como St. Louis, Philadelphia e Washington D.C. Logo após a gravadora de Banner, Universal Records, exigiu versão remixadas em Screwed & Chopped de toda a lista de rappers do Sul, incluindo a banca da Cash Money Records. Recentemente, artistas como T.I., UGK e Mystikal lançaram uma versão em Screwed & Chopped de seus albuns, abrindo um novo leque de fãs fora de Houston.

"Nossas vendas [em CDs em Screwed & Chopped] crescem todo mês. Não dá nem para deixar no estoque," diz Danny Blaq, que controla a Baylo Entertainment, uma distribuidora de CDs de rap. "Wisconsin, Seattle, Illinois, até mesmo outros países. Vendemos para vários caras no exército."

O som Screwed & Chopped começou a se tornar muito popular. O ritmo lento de "Still Tippin" - que pega o refrão de um freestyle em Screwed & Chopped de Slim Thug - camufla as grandes batidas da maioria dos outros raps, ao invés de de imitar os ritmos mais baixos quase sempre encontrados em remixes screwed de outras músicas rap. Os singles seguintes de Jones, Wall e o resto da nova geração de novos artistas de Houston seguiram esse mesmo modelo.

O som parece que está influenciando artistas de fora do Hip-Hop. O grande sucesso de Ciara "Oh", com sua batida deslizante e com suas pulsantes repercussões, movendo-se num ritmo muito lento, mais lento do que a maioria das músicas R&B atuais, um estilo de seus produtores, Dre & Vidal, que eles admitem ser influenciado pelo som Screwed & Chopped. "Quando ouvi pela primeira vez a música [Screwed], pensei, 'o que é isso? será que é um erro?,'" ri Dre. "Nós pegamos a base e colocamos nosso toque nela pra fazer a música da Ciara."

E não importa o quão conhecido o som de Houston se torne e até qual parte do globo ele chegue, a música Screwed & Chopped sempre será parte da identidade da cidade - e da pessoa da qual recebeu seu nome, DJ Screw.
"A música de Screw é importante para a cultura - é o que mantém a cultura unida aqui no Texas," diz Paul Wall. "Então quando dizemos a palavra 'Screwed,' é muito mais do que a música ser mais lenta. É a sustentação de um legado."

"Tem uma coisa," diz Bun B. "Não importa o que aconteça: Se eu parar, Geto Boys parar, e ninguém mais escrever uma rima, nos livros de história estará escrito, 'Música Screw: Houston, Texas.' Ninguém pode mudar ou nos tirar isso."

Creditos: 51/50 aka 13 e Nefasto.

By Rapevolusom

0 comentários:

Twitter Facebook

 
Design by Will Designer